quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Portugal - Farmacêutico desafiam Ordens dos médicos.

Farmacêuticos desafiam Ordem dos Médicos a denunciar "situações menos claras" 

O bastonário dos farmacêuticos desafiou hoje a Ordem dos Médicos a denunciar “situações menos claras” relacionadas com trocas de medicamentos nas farmácias.

Carlos Maurício Barbosa reagia assim às declarações do bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, em que critica a troca de genéricos nas farmácias, alegando que o farmacêutico “altera a marca escolhida pelo médico por interesses comerciais que não são favoráveis ao doente porque a lei nem sequer obriga que a substituição seja por um genérico mais barato”.

“A Ordem dos Médicos (OM) se tiver conhecimento dessas situações menos claras” deve denunciá-las à Ordem dos Farmacêuticos (OF), desafiou Carlos Maurício Barbosa.

O bastonário da OF lembrou que os farmacêuticos têm de cumprir um código deontológico e que, senão o fizerem, serão alvo de uma acção disciplinar.

“Se eventualmente nalgum caso estas regras vierem a ser quebradas, a Ordem dos farmacêuticos actuará do ponto de vista disciplinar sobre o farmacêutico que quebrar a regra”, frisou.

Sobre os riscos apontados pelo bastonário da OM resultantes da troca de genéricos nas farmácias, devido a estes medicamentos ter “variabilidades grandes entre si”, Carlos Maurício Barbosa assegurou a qualidade destes fármacos para a população.

“Os medicamentos genéricos, tal como os outros, têm qualidade, segurança e eficácia comprovada” por testes técnico-científicos que têm por base uma guideline>/i> europeia, justificou.

Carlos Maurício Barbosa lembrou que muitos medicamentos genéricos são produzidos na mesma fábrica, pelo mesmo produtor e depois são comercializadas como genéricos de marcas diferentes.

“Essa questão não tem fundamento o que importa é a questão técnico-científica que está na base da bioequivalência”, salientou.

O bastonário adiantou que esta discussão está mais do que resolvida noutros países, mas “em Portugal várias entidades, inclusive a OM, têm vindo a fazer render a discussão ao longo dos anos para protelar, mais uma vez, a entrada de uma medida que é muito necessária para o país e para a população”.

“Há mais de 20 anos que se discute este assunto em Portugal e uma das razões pela qual não foi possível tem sido pela obstaculização sistemática da Ordem dos Médicos a esta situação”, sustentou.

De qualquer forma, observou, o Ministério da Saúde prevê na proposta de lei a possibilidade de, em casos excepcionais, o médico prescrever um determinado medicamento de marca desde que justifique a sua decisão.

Lembrou ainda que a prescrição obrigatória de medicamentos pela Denominação Comum Internacional (DCI) é uma medida que vai permitir poupar muito dinheiro ao Serviço Nacional de Saúde e às famílias, promovendo ainda o mercado de genéricos.

“Nós temos neste momento uma quota de genéricos em Portugal na ordem dos 20 por cento, que é manifestamente insuficiente para as necessidades do país. Nos próximos dois, três anos, Portugal tem de estar com uma quota de genéricos de 50 a 60%”, defendeu.

 fonte: site Público

Um comentário:

  1. http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=18126700&tid=5667801051883180190&na=4

    ResponderExcluir